INTERVIEWING – BENSON CHIN

If it was possible to one day wake up inside the bizarre, delirious and unquestionably psychedelic world of Benson Chin, it would be an unforgettable and slightly disturbing experience. Born and raised in São Paulo, Brazil, in the neighborhood of Barra Funda, Chin is an illustrator and cartoonist, who also sometimes partakes in some Graffiti and silk-screening action. He graduated from Mackenzie University receiving his degree in Industrial Design. Along with other of his cartoonists friends, Chin founded Miolo Frito, a project for illustrations and cartoons, as well as Casa Locomotiva, an open space for visual arts.

Benson’s pieces serve as a gateway to his mind, a place where one would think is highly chaotic. After talking to him, what you find is nothing but the mind of an energetic, diligent and humble artist. Representing a new generation of young artists that spend prolonged hours at a desk, Chin challenges the viewer’s mind to go on a trip, far far away.

*Essa entrevista foi feita originalmente em Português. A versão completa em Português se encontra no final do post. Aproveite!

benson8

Hi Benson! Thank you for chatting with me today. I have to start by saying that your work has the capability of taking my mind to places very far away from planet Earth. It’s an explosion of colors, lines and movement and all of these elements coexist in a very harmonious manner. I’m very interested in learning about your art making process – how do you start a piece and when do you know it’s done?

CHIN – Hey Stephanie! It’s so cool that we are able to chat today. Thank you for liking all the madness!

Besides illustrator, I am also a cartoonist, which takes up a lot of my time. This is the reason that it usually takes me a long time to finally start making a drawing, around 3 months or more. The idea keeps “fermenting” for the whole time and I start imagining compositions for the theme. Lately, I’ve noticed that I’ve been sort of a “slave” of this process of making a really bad rough sketch first that only I am able to understand it. I try things out on that sketch first, before making a bigger version of it. But when I’m drawing the final piece, I slowly add things that I haven’t thought of it before. At this point, the drawing is pretty crowded! Sometimes I also split the illustration in different areas, and inside each one of them I notice if I can find any interesting composition, a small narrative, or even an empty area that makes sense. That’s when I know I’m done.

benson-this2

benson-this

I found a cover you made for a manual of comics called Miolo Frito and you wrote that it was a “humble portrait of the glamorous pseudo profession of a cartoonist”. This is a highly psychedelic piece as the character is melting into the chair. Tell us a little bit about your life “behind the scenes” as a cartoonist and why you say “pseudo profession of a cartoonist” ? I’m guessing there’s no glamour whatsoever.

CHIN – Oh yeah! There’s no glamour at all, it’s exactly like that drawing: you spend over 8 hours sitting on a chair on your pajamas, sweating balls all day. In one single page, there’s usually 8 or 9 cartoons, which would be the same as working on 8 or 9 single illustrations. It’s definitely a type of work that someone completely sane wouldn’t do. I’m not even talking about all the lost weekends inside fairs and conventions.

I would say it’s a pseudo profession because in Brazil we don’t have an established market for cartoons that would sustain the profession itself. So 99.9% of cartoonists here have a “primary job”. You turn into an “underground sub celebrity” at the most, like a friend of mine in this field would say.

benson5

I also found a mural you made in the Lapa neighborhood in São Paulo. What’s your relationship to Graffiti?

CHIN – I don’t do much of it, around one or two walls a year. Lately I’ve been making more, and they are usually with legal authorization or a commissioned piece. When I started doing street art, I got in touch with the people in this world and they take it extremely serious. They do around 3 walls a week in the middle of the night, always doing whatever it takes to find an empty wall. That’s when I realized it wasn’t really my thing and I felt I enjoyed doing things slowly and not with that high level of compromise.

The wall that you mentioned, I ended up doing it out of the ordinary, not really planned beforehand. I was riding a bike and this little boy came running after me and asked if I do Graffiti, and this was on Children’s Day. He asked because his dad owns the bar of that wall. It was strange because I wasn’t even carrying materials with me or anything! It sounds like I just made this story up!

benson-again.jpg

Several of your illustrations have this strong surreal and freaky identity to them. Where do you draw your inspirations from?

CHIN – Since I started to really enjoy drawing because of comics, I think that majority of my inspirations come from there. As time passed, I started to enjoy underground stories more, and that’s where I think all the bizarre stuff comes from. I think the fact that I started the Miolo Frito project with Adriano Rampazzo, Breno Ferreira and Thiago A.M.S, which later on became a graphic arts project too, it became even more freaky.

My major influences come from cartoonists like Charles Burns, Paul Pope, Robert Crumb, Basil Wolverton, Geof Darrow, Richard Corben, Lourenço Mutarelli and Ib Werks. Those are the artists that really influence my practice, but I also like and admire many other ones.

benson4

In your studio, are you listening to music? Or listening to podcasts, a movie or TV in the background?

CHIN – When I used to draw in my living room back in the day, I was always listening to the TV (free-to-air TV) in the background, which it would make me company. But then in the end it would become torture, in the middle of the night listening to some religious cult or wine commercials!

Nowadays I listen to the songs I like, such as rock, punk rock and horror punk, but it really depends on what I’m into it at the moment. Today I think I’m into music from the 80’s and 90’s. I also enjoy those alone moments to listen to bad music, so no one can bother me or judge me!

benson1

benson3

What’s next on your agenda, any big plans coming up? Maybe a trip somewhere or a collaboration with other artists?

CHIN – Us at Miolo Frito, we have this dream of building a traveling project to discover bars around cities in Brasil, and potentially build a graphic production from that. I hope this is in a near future, or maybe not!

ORIGINAL INTERVIEW IN PORTUGUESE

Oi Benson! Muito obrigada por conversar comigo hoje. Primeiramente, eu queria falar que o seu trabalho tem essa capacidade única de fazer a minha mente viajar pra lugares bem longe do Planeta Terra! É realmente uma explosão de cores, linhas e movimento, e todos esses elementos coexistindo em harmonia. Eu estou muito interessada em aprender mais sobre o seu processo de criação – como você começa um trabalho e quando você sabe que esta pronto?

CHIN – Oi, Stephanie! Bem massa podemos conversar! Valeu por curtir as piras todas! Além de ilustrador eu também sou quadrinista, o que acaba consumindo muito tempo, por conta disso quando tenho uma ideia para um desenho eu acabo demorando demais para finalmente começar a desenhar, coisa de 3 meses pra mais…

A ideia então fica fermentando todo esse tempo e eu vou imaginando algumas composições sobre o tema, uma coisa que reparei é que fiquei refém nos últimos tempos foi de fazer um rough sketch bem mal feito, que só eu entendo, num caderninho antes de fazer o desenho grande, nele eu testo algumas coisas antes, mas quando estou desenhando a peça final sempre enfio mais coisas que não havia pensado antes.

O desenho então a esta altura já está bem lotado! O que faço às vezes é dividir a ilustração em áreas, e dentro de cada uma eu vejo se há uma composição interessante ou uma mini narrativa, ou mesmo uma área vazia que faça sentido ali, aí eu sei que finalmente terminei.

Muitas das suas ilustrações possuem características muito surrealistas e “freaky”. Quais são as suas principais fontes de inspiração?

CHIN – Como comecei a gostar de desenhar por causa dos quadrinhos, as maiores influências vêm disso, com o tempo passei a curtir mais as histórias underground, acho que daí que veio as bizarrices.

O fato de ter montado junto com Adriano Rampazzo, Breno Ferreira e Thiago A.M.S um projeto de quadrinhos chamado O Miolo Frito (que depois virou de artes gráficas também) ajudou a piorar bastante esse quadro.

As minhas maiores influências são os quadrinistas Charles Burns, Paul Pope, Robert Crumb, Basil Wolverton, Geof Darrow, Richard Corben, Lourenço Mutarelli e Ib Werks como cartunista. Esses são os que mais me influenciam na prática mesmo, mas eu gosto e admiro muitos outros artistas.

Eu achei uma parede que voce fez na Lapa, em São Paulo. Qual é a sua relação com a arte de rua?

CHIN – Eu faço muito pouco, em média uns dois grafites por ano, ultimamente tenho feito mais murais, que aí são com autorização ou por encomenda. Quando comecei a fazer e entrei em contato com caras que levam isso muito a sério eu vi que não era muito o meu perfil, o pessoal faz umas 3 pinturas por semana na rua de madrugada, fazendo deslocamentos enormes pra achar muros vazios e etc, aí senti que preferia fazer as coisas mais de vez em quando e sem tanto compromisso.

No caso desse mural que você mencionou acabei fazendo por acaso, e quando passava de bicicleta pela rua, um menino veio correndo atrás de mim perguntando se eu fazia Graffiti, bem no dia das crianças, a tal da parede é do bar do pai dele! O mais estranho é que eu não estava carregando material algum na hora, parece até mentira!

Eu também achei uma capa que voce fez para um manual de quadrinhos, chamada O Miolo Frito, e voce escreveu que era um “singelo retrato da glamurosa pseudo profissão de quadrinista”. É um desenho muito psicodélico com o personagem derretendo na cadeira. Conte pra nos um pouco mais sobre a sua vida “por trás dos bastidores” como um quadrinista e porque voce diz “pseudo profissão de quadrinista?” Eu estou assumindo que não existe glamour nenhum também!

CHIN – Ah sim! Não glamour há algum, é exatamente como naquele desenho, você fica sentado na prancheta por mais de oito horas de pijama e suando pacas. Numa única página geralmente temos de 8 a 9 quadros, o que seria o mesmo trabalho de se fazer de 8 a 9 ilustrações soltas. É realmente um trabalho que ninguém em perfeito juízo faria. Isso fora os finais de semana perdidos em feiras e convenções.

Digo que é uma “pseudo profissão” por que no Brasil não temos um mercado estabelecido de quadrinhos que possa sustentar essa profissão. Então 99,9% dos quadrinistas daqui possuem uma “primeira profissão”.

No máximo você vira “uma subcelebridade underground”, como diria um amigo e colega de “profissão”.

Quando voce esta no seu estúdio, voce normalmente esta ouvindo musica? Ou ouvindo podcasts, ou um filme ou TV de fundo?

CHIN – Antigamente quando eu desenhava na sala de casa ouvia muita TV (aberta mesmo) ao fundo pra fazer companhia, o que no final acabava sendo uma tortura e terminava numa madrugada ouvindo algum culto evangélico ou uma propaganda de vinhos!

Mas hoje em dia escuto as músicas que curto mesmo, mais rock, punk e horror punk, mas vai variando muito do que estou ouvindo na época, acho que hoje escuto mais música dos anos 80 e 90.

E aproveito para ouvir muita música ruim nessas horas também porque geralmente estou sozinho, sem ninguém pra incomodar ou me julgar!

Quais são seus planos para um futuro próximo? Talvez uma viagem or uma colaboração com outros artistas?

CHIN – Através d’O Miolo Frito, temos o sonho de montar um projeto itinerante visitando e descobrindo bares por várias cidades do Brasil e criar uma produção gráfica a partir disso, espero que esteja em algum futuro próximo ou não!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s